sexta-feira, 30 de junho de 2017

Por que será que
Se eu vejo esses símbolos e signos e letras
Eles fazem sentido
E eu os entendo
Do mesmo jeito que você?
Você também entende
Quando alguém fala de amor
Assim como eu
Ainda que o amor não se veja ou se toque
Você entende
E da mesma forma ainda
Quando falamos das cores
Você entende
Mesmo que o faça com os olhos fechados
Na sua mente você pode diferenciar 
O vermelho do verde 
A guerra da paz
O gosto da boca e o do corpo
Você 
Que está em outro planeta
Que está a tantos quilômetros
Que está na minha cabeça
Ainda
Você entende tantas outras coisas
Complexas
E ainda que me pudesse ver ou tocar
Você não me entendeu
Eu
Que estive nua
Que estive ali
o amor
é uma criança
de 3 bilhões de anos

quinta-feira, 2 de março de 2017

por que não ha o amor
do mundo todo
de ser um só
e então curar
toda a doença
do próprio mundo
trazer conforto
e um pouco de paz
como sendo o abraço da terra
como é de fato
ao invés de fragmentar
e cavar tantos buracos
em nossos corações
e atar-nos em tantos nós
enquanto nos preocupamos
somente
em sermos livres

-não quero
estar presa
à escolha
entre o meu e o seu amor-
por que não podem
enfim
ser um só?



quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

mergulho
neste
ocê ano
e me afogo
quando tento
respirar
outro ar
se não o que sai
da sua boca

me mato um pouco
toda vez
mas logo volto
pelas beiradas e

mergulho

até

o

fundo


segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

ouvi dizer
que o coração de cada pessoa
bate num ritmo diferente
próprio
necessario
e essencial
(de dentro pra fora)
imagine só que bela orquestra
toca a humanidade 
vai saber se é verdade
não entendo a ciência das palpitações
ou a anatomia do coração
(não entendo nada)
mas posso afirmar
racional e empiricamente
em qualquer revista acadêmica
fila de banco
ou mesa de bar
que a sua
é a mais bonita
da terra
ainda mais
quando descompassa
acelera o ritmo 
com minha respiração
na sua orelha
e em seguida desacelera
afunda-se em um sonho límpido
(do qual não se lembra)
e cada vez que 
me desafia
a que eu me mantenha no tom
desafino
erro meu próprio tempo
me confundo
perco o compasso
chego a dois milhões
e até mesmo zero
batidas por segundo
(no mesmo segundo)
desafino
e entao me entrego
a nossa sinfonia
desatinada

-não haveria
hoje
no mundo
batida mais harmônica-

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

eu te vejo nessa bolha
a que eu vou me meter
a que eu vou estourar

mas só no dia
que tiver coragem
de dizer que te amo
com a mesma boca
que nunca falou
que tem medo
de te perder


se você soubesse
o tanto de espaço
que ocupa em mim
(cabeça, coração,
glândulas sudoríparas
entre outras...)
entenderia o porquê
de eu parecer chapada
e não conseguir responder
às questões mais óbvias
e assim te dar riso
ou quem sabe agonia

eu te vejo nessa bolha
e fico na minha